Medida ocorre após um acordo entre a própria federação internacional e a Fifpro, o sindicato mundial dos jogadores.

A Fifa vai disponibilizar um fundo de 14,6 milhões de euros (15,9 milhões de dólares) a partir do dia 1º de julho para apoiar os jogadores financeiramente em caso de salário não pago, anunciou a entidade com sede em Zurique nesta terça-feira. A criação desse fundo, financiado exclusivamente pela Fifa, ocorre após um acordo entre a própria federação internacional e a Fifpro, o sindicato mundial dos jogadores.

Vários relatórios recentes, incluindo um da Fifpro, "comprovam o aumento de casos de salários não pagos em todo o mundo", explica a Fifa no comunicado. Embora não possa cobrir todos os valores devidos aos jogadores, este fundo "constitui uma importante rede de segurança". "Este acordo e nosso compromisso em ajudar os jogadores em dificuldade mostram como concebemos nosso papel como instância regente do futebol mundial. Estamos aqui também para ajudar aqueles que precisam", disse Gianni Infantino, presidente da Fifa, citado no comunicado.

"Nos últimos cinco anos, mais de 50 clubes em 20 países fizeram centenas de jogadores passarem por períodos difíceis e repletos de incertezas", acrescentou Philippe Piat, presidente da Fifpro. A criação desse fundo fazia parte das negociações sobre a reforma dos mecanismos de transferência de jogadores e constitui uma antiga reivindicação da Fifpro. Inicialmente, segundo fontes bem informadas, a Fifpro lutou para que o fundo também fosse financiado por uma parte das transferências ou por uma contribuição dos clubes.




Correio do Povo
por Correio do Povo
11/02/2020 21:00