Em torno de 1.500 pessoas, lotaram o salão paroquial do município e o evento faz parte do Ranking Brasil

Mais de 1.500 pessoas acompanharam na noite do último sábado (08) a 26º Festa Nacional do Boi Recheado, em Viadutos, no salão paroquial da cidade. “Estamos muito felizes com a vinda do público, que tornou a festa mais uma vez um grande sucesso. Só temos de agradecer a todos que participaram”, destacou o prefeito do município, Claiton dos Santos Brum.

Evento Nacional

Desde de 2015 a festa está no Ranking Brasil, como a responsável por assar o maior boi recheado em fornos do país. Neste ano foram dois animais, com mais de 430 quilos de carnes, 120 quilos de recheio e 70 quilos de mantas.

Nome do município para todo o Brasil

De acordo com o prefeito esta iniciativa, leva o nome de Viadutos para todo o Brasil. “Este evento atrai visitantes de todos os lugares e movimenta nosso comércio e economia. A cada ano procuramos melhorar e trazer novidades, para que os visitantes sempre retornem e outros também possam se motivar a conhecer a festa”, ressaltou Brum.

Novidade: linguiça na taquara

Neste ano uma novidade foi apresentada aos participantes do evento. Trata-se da linguiça na taquara, que foi servida aos visitantes como aperitivo antes do jantar oficial.

Presença de autoridades

Antes do jantar a solenidade de abertura do evento, contou com a presença de várias autoridades. Além de prefeitos da região, como o presidente da Associação dos Municípios do Alto Uruguai (AMAU) e também prefeito de Ipiranga do Sul, Mário Ceron, se fizeram presentes deputados estaduais e federais.

 

Voluntários

Um dos destaques da festa é o grande número de pessoas voluntárias que se revessam no trabalho de assar e também de fazer pratos adicionais, que são servidos junto com o Boi Recheado.  

 

Assador oficial

Roberto Piccoli há três anos é o assador oficial. O voluntário conta que o trabalho começa dias antes. “Aqui participamos desde da escolha do animal, acompanhamos o abate e no dia do evento começamos ainda de madrugada a parte de assar. Para mim que sempre participei da festa é uma emoção essa responsabilidade”, destaca.

 

Chefe de cozinha

Ivete Piovesan Bonatto, também é voluntária, mas sua responsabilidade é chefiar a cozinha do evento e acompanhar a preparação de outros pratos. “Tenho o maior orgulho de fazer parte desta festa. Já é uma tradição em muitas famílias e cada ano para mim fica melhor. Espero que todos tenham gostado, pois fizemos tudo com muito amor e carinho”, comentou.

 

História da festa

O fundador da festa e assador oficial por mais de duas décadas, Elias Jose Tochetto, atualmente com 87 anos, faz questão de acompanhar os preparativos. Ele lembra de como tudo começou. “Era para ser uma festa pequena, entre amigos, começamos assando um cabrito inteiro, depois fui desafiado assar um boi. Então tudo começou e a cada ano vieram mais pessoas. Hoje eu participo apenas olhando, mas faço questão de chegar cedo para ver essa história seguir”, pontuou.




Por Leandro Zanotto
Foto Fernando Genro